O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, e a presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Dilma Pena, assinaram nesta sexta-feira, 15, contrato de financiamento de R$ 1,35 bilhão. A cerimônia aconteceu no Palácio dos Bandeirantes, com a presença do governador do Estado, Geraldo Alckmin.

Os recursos a serem liberados pelo Banco à Sabesp destinam-se ao Programa de Despoluição do Rio Tietê, projeto iniciado em 1992 e que está, agora, em sua terceira etapa.

Os investimentos totais somam R$ 2,9 bilhões e abrangerão 27 municípios da região metropolitana de São Paulo com os mais diversos perfis de cobertura de serviço, renda média da população e extensão territorial.

O financiamento cobrirá a contrapartida de responsabilidade da Sabesp no âmbito de contrato celebrado com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para a execução da etapa atual e que prevê a ampliação da cobertura dos serviços de
coleta e tratamento de esgoto na região metropolitana de São Paulo.

Durante a execução do projeto, há previsão de que sejam gerados 19.840 empregos, dos quais 13 mil indiretos e 6,7 mil diretos. Na terceira etapa do Programa de Despoluição do Rio Tietê, que deverá estar concluída em 2016, a Sabesp pretende garantir a continuidade das ações que visam à melhoria das condições ambientais e a expansão dos serviços de esgotamento sanitário na região metropolitana de São Paulo.

Para tal, investirá na implantação de coletores, interceptores, em redes coletoras e ligações domiciliares de esgoto. Serão construídos cerca de 420 km de coletores e interceptores e 1.251 km de redes coletoras, além da realização de 200 mil ligações domiciliares de esgotos. O projeto prevê, também, a ampliação de três estações de tratamento de esgoto (ETEs) do Sistema Principal: Barueri, Parque Novo Mundo e a estação ABC.

O apoio do BNDES contribuirá para a melhoria da qualidade da água de um dos mais degradados rios do País, o Tietê, de grande importância econômica, ambiental e social para a região mais industrializada do Brasil e uma das mais ricas do Hemisfério Sul.

Além disso, com as obras, a Sabesp ampliará a cobertura do serviço de coleta e tratamento de esgoto da Região Metropolitana de São Paulo, o que terá impactos diretos na melhoria da qualidade de vida da população. Após a conclusão do projeto, o índice de tratamento de esgoto será de aproximadamente 84%. O índice de coleta na região também subirá para 87%.

15/03/2013