Durante anos, pesquisadores do mundo todo tentam descobrir se há vida além do planeta Terra. Essa discussão fica ainda mais acirrada quando é descoberto o primeiro planeta fora do Sistema Solar em 2007. Neste sábado (4), o astrônomo Gustavo Porto de Melo, do Observatório do Valongo (UFRJ), vai falar sobre a questão das “Zonas Habitáveis na Via Láctea”. A palestra é gratuita e acontece às 16 horas, no Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast/MCT), em São Cristóvão (RJ).

A intenção da palestra é explicar o conceito de zona habitável, aquela região onde é possível a existência de vida e, portanto, possuem água líquida em sua superfície. O astrônomo pretende também ampliar essa discussão baseado em recentes pesquisas da área que abrem enormes possibilidades de existência de vida em outras regiões do Universo.

“Muitos estudos já estão além deste conceito de zona habitável e desmontam a “certeza” de que há vida somente em locais onde é encontrada água na superfície. Apenas essa condição não basta. Marte, por exemplo, apesar de ter água em sua superfície, não tem o tamanho mínimo para ter vida. Planetas fora do Sistema Solar, os exoplanetas, possuem água subterrânea, o que ampliam a discussão sobre a existência de vida fora da Terra, mesmo estando à margem da área considerada como zona habitável”, comenta Gustavo.

Conhecendo o Museu

Ainda no sábado (4), os visitantes poderão fazer a “Visita Orientada”, de hora em hora, das 11 às 17 horas. Quem for ao Museu poderá conhecer o conjunto arquitetônico histórico do local, o Sistema Solar em Escala, os pavilhões com as cúpulas de observação celeste e parte da coleção de instrumentos científicos expostos no Museu. Com capacidade máxima para 40 pessoas, a visita é substituída pela exposição “As Estações do Ano – Terra em Movimento”, caso o tempo não esteja favorável para as atividades externas.

Para ver estrelas

A partir das 17h30, o Programa de Observação do Céu leva os visitantes para assistir a um vídeo sobre astronomia. Os mediadores falarão também sobre as estrelas que podem ser vistas no céu durante o mês de maio, além de fazer um convite para visitar cúpulas de observação do céu, com telescópios construídos no começo do século XX. Trinta pessoas podem participar.

No domingo (5), o Planetário Inflável estará montado dentro do Museu para que os visitantes assistam a uma simulação de uma noite estrelada projetada no alto da cúpula cheia de ar, de três metros de altura por seis metros de diâmetro. As sessões acontecerão às 15, 16 e 17 horas. Para as atividades que possuem capacidade máxima, serão distribuídas senhas 30 minutos antes de cada evento.

Fonte MCT